Como evitar a Lombalgia?

Você conhece a lombalgia? O problema é caracterizado pelo incômodo na região lombar e é normalmente lembrado como dor nas costas.

Existem dois tipos de lombalgia: aguda que é caracterizada por uma dor forte e repentina, que aparece após algum esforço físico, e a crônica, que pode ser causada por problemas degenerativos e tendem a se agravar com a idade. Segundo especialistas, alguns fatores podem propiciar o problema, como o estresse, a obesidade, sedentarismo, trauma, gravidez e trabalhos repetitivos. Todos estes fatores influenciam na causa mais importante de dores na coluna lombar: a postura.

Para evitar as dores, é preciso se reeducar para não sobrecarregar a coluna. A forma como você dorme pode ajudar bastante no problema. A melhor posição na hora do sono é aquela em que se fica de lado, preservando o alinhamento da coluna. Médicos especialistas explicam que, para isso, a escolha do travesseiro é essencial. Dê preferência a um travesseiro na altura dos ombros, que deixe o pescoço sempre reto. Além disso, flexionar pernas também pode ajudar bastante, já que traz relaxamento para a coluna lombar.

Participe do nosso Curso para Gestante

Gravidinhas,
Novidade pra anotar na agenda:
Dia 26 de Agosto, acontece nosso primeiro Curso para Gestantes!
A carga horária é de 8 horas e a programação envolve os principais dilemas dos pais de primeira viagem: cuidados com a amamentação, cuidados com o bebê na prática, trabalho de parto, baby blues, depressão pós-parto e muito mais…
Todas as gestantes e familiares são bem-vindos!
Para se inscrever e saber mais, acesse o link: Somos Mães de Primeira Viagem – Curso para Gestantes 

Diabetes Gestacional: o que é?

O diabetes gestacional é uma hiperglicemia, ou seja, aumento dos níveis de glicose no sangue, e geralmente, se cura logo após o parto. Mas se a mulher teve diabetes gestacional, ela está em risco para o diabetes tipo 2. Dessa forma, é importante manter os cuidados e acompanhamento médico mesmo após ter o bebê

O diabetes gestacional raramente causa sintomas. Dessa forma, é preciso fazer exames periódicos durante toda a gravidez, principalmente entre as semanas 24 e 28. É importante fazer esses exames uma vez que o açúcar elevado no sangue pode causar problemas para você e seu bebê

O que é Blues Puerperal

Nos primeiros dias, logo após o nascimento do bebê, é normal que a mamãe se sinta irritada, triste e com vontade de chorar. É um fenômeno chamado blues puerperal, conhecido também como melancolia puerperal.
A mãe pode sentir:

 Preocupação excessiva com a saúde do bebê
⠀ 
 Ansiedade e nervosismo

Dificuldade de se concentrar

 Cansaço e dificuldade para dormir

 Vontade de chorar sem motivo

O blues puerperal não é uma doença e vai passar rapidamente. Os piores momentos costumam ser entre o terceiro e o quinto dia pós-parto, mas a melancolia deve ir embora até o fim da segunda semana.

Porém, vale ressaltar que caso a mãe continue se sentindo muito triste por mais de um mês depois do parto, ela pode estar sofrendo de depressão pós-parto, sendo necessário consultar um especialista urgentemente. 

Ácido hialurônico: pele firme e jovem

O ácido hialurônico é uma molécula complexa de açúcar produzida naturalmente pelo nosso corpo. Mas com o passar dos anos, essa produção tende a cair e é quando começamos a notar as imperfeições e rugas. A pele vai perdendo fibras elásticas e tornando-se cada vez mais enrugada e flácida.
Genética, exposição solar, má alimentação e o fumo são alguns dos fatores que aceleram esse processo.

Nesses casos, pode ser indicado o preenchimento com ácido hialurônico que é responsável por manter as formas, contornos, repor o volume da face e hidratar profundamente os tecidos, Essa substância é o principal preenchedor utilizado atualmente.
O procedimento leva até 30 minutos e o resultado dura cerca de um ano. Logo após o procedimento o paciente pode voltar a sua rotina. A Clínica Ellas oferece esse e outros procedimentos dermatológicos. Para saber mais, entre em contato: (11) 3473-1462. 

Vulvite e vulvovaginite: quais são as diferenças?

A vulvite e a vulvovaginite são inflamações da parte externa do órgão genital feminino – a vulva. A principal diferença entre as inflamações é que a vulvite é uma irritação na vulva e a vulvovaginite na vulva e na vagina.
As infecções são causadas pela presença de microorganismos que provocam corrimento, assim como a candidíase, a tricomoníase e clamídia que também podem desenvolver a vulvite e a vulvovaginite.
O uso de produtos alérgicos, como calcinhas de tecido sintético, amaciantes, papel higiênico colorido ou perfumado, sabonetes e até o hábito diário de fazer ducha vaginal também podem causar a vulvovaginite.
Mulheres grávidas devem ter o cuidado dobrado, pois podem desenvolver vulvites crônicas após o parto, isso devido à imunidade baixa que é propícia a infecções causadas por sensibilidade a determinados produtos químicos, como o látex da camisinha, tampões vaginais e sabonetes íntimos

Colostro: o primeiro leite materno

O colostro é um líquido espesso, pegajoso, de cor clara e amarelada, que as mamas armazenam a partir do sétimo mês de gravidez. Confira alguns benefícios do colostro para o Bebê:

O colostro é o primeiro alimento perfeito para bebês, com mais proteína e vitamina A do que o leite materno maduro;

O bebê não deve consumir água ou qualquer alimento artificial, pois o colostro se dilui. Os rins do recém-nascido não estão preparados para receber grandes volumes de líquidos e a água adicional coloca-os sob pressão. Por isso, não é necessário oferecer água aos recém-nascidos;
O colostro é laxante e ajuda o bebê a eliminar o mecônio, que pode prevenir icterícia;
Contêm proteínas especiais que possuem a capacidade de defender o recém-nascido de infecções. O colostro é a primeira imunização do bebê contra muitas bactérias e vírus.

 

Frequência urinária aumentada na Gravidez

Qual a grávida que nunca sentiu vontade de urinar no meio da noite?! Isso pode acontecer por conta do avanço da gestação, o tamanho do útero diminui a capacidade da bexiga, justo no período em que o seu organismo está produzindo mais urina, além disso, há mais sangue circulando, ou seja, mais líquido sendo processado pelos rins. Mesmo com a bexiga vazia, algumas futuras mamães podem sentir a sensação de que ela ainda está cheia, por conta da pressão.

Caso a gestante sinta dor, queimação ou uma enorme vontade de urinar e só fazer gotinhas é melhor procurar o médico. Esse é um sinal da polaciúria, um problema de micção conhecida como frequência urinária aumentada.

Entenda a importância da Hidratação de pele

Hidratar a pele é extremamente importante, pois auxilia na manutenção do viço e da beleza, além de manter a integridade da camada de proteção cutânea e evitar problemas como descamação, ressecamento, envelhecimento precoce, irritações e infecções. Por isso, é preciso usar diariamente hidratantes adequados a cada tipo de pele e específicos para o rosto e o corpo. Vale ressaltar que as peles oleosas também precisam de hidratação, sendo recomendado usar um produto oil-free, que é à base de água.
A hidratação deve ser feita por dentro e por fora, por isso, além do uso de produtos específicos, recomenda-se também a ingestão diária de água.

Veja outras medidas que ajudam a manter a pele bem hidratada:

1. Evitar exposição excessiva ao sol;

2. Manter uma dieta rica em frutas e verduras, ricas em fibras;

3. Evitar o uso excessivo de sabonetes, buchas, banhos muito quentes e prolongados.

Descolamento da Placenta: o que é?

A placenta, responsável por oferecer nutrientes e oxigênio para o bebê, pode se desgrudar da parede do útero. Nesses casos, dizemos que houve um descolamento, que pode ocorrer de duas maneiras: no início da gestação, conhecido como descolamento ovular, que ocorre quando o sangue se concentra entre o útero e o saco gestacional, formando um hematoma e causando sangramentos; e o que ocorre no final da gestação, conhecido como descolamento prematuro da placenta, que é mais grave e pode apresentar maior risco de óbito para o bebê e consequências para mamãe, como a histerectomia, ou seja, a retirada cirúrgica do útero materno.

Este problema pode estar relacionado ao uso de cigarro, drogas, à idade da mãe, à pressão alta durante a gravidez e a alguns traumas, como quedas e acidentes de carro.